DEUS É AMOR

10/10/2012 01:00

 

Leitura Bíblica: 1 João 4:13-21

Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim (João 13.1b)

    Quem não deseja ser amado incondicionalmente, sem que os defeitos sejam levados em conta? Quem não espera por um amor que preencha o vazio da alma e cumpra a promessa de ser eterno? Um amor tranquilo, que anima e revigora? Alguém que ame até as últimas consequências? Esse é o anseio de todos nós. É como se algo em nosso interior clamasse por esse tipo de amor e nos faz passar de um relacionamento a outro na expectativa de encontrá-lo. Procuramos um sentimento assim nas pessoas da nossa família, no cônjuge, nos filhos, nos amigos. Parece que por maior que seja o amor dedicado a nós, ele ainda não é aquele que tanto ansiamos. Não são poucas as vezes em que nos decepcionamos por não encontrar o amor verdadeiro nas outras pessoas. Na leitura de hoje, João diz que Deus é amor em sua essência. Para Deus, amor não é um sentimento que acontece ao acaso e está sujeito às diversas situações da vida. O amor dele não é algo passageiro, que muda dependendo das nossas atitudes. É um amor eterno, que nunca falha, não acaba, nunca muda. Deus nos ama até a última consequência e expressou isso entregando Jesus para morrer em nosso lugar. Toda vez que ansiamos por amor, é pelo amor dele que estamos ansiando. Nenhum ser humano é capaz de dar esse amor a outro, porque o vazio interior de cada um de nós só pode ser preenchido com o amor de Deus. Contudo, muitas vezes não sabemos receber o amor de Deus. Estamos tão acostumados ao sentimento humano, que é ilimitado, e não conseguimos entregar-nos a esse amor incondicional e divino. Tememos que o Senhor também nos decepcionará. Porém, a melhor expressão do amor de Deus é a graça, o favor imerecido. Deus ama porque ama, porque ele é amor e amar é o que Ele faz. Não precisamos merecer seu amor, apenas abrir o coração e recebê-lo. O Senhor pode não concordar com tudo o que faço, mas certamente me ama.

 

O Senhor é o único capaz de nos amar ao ponto de morrer em nosso lugar.

 

Texto extraído do livro Pão Diário nº 14

(04/10/2012)