IRREPREENSÍVEIS

04/10/2012 22:56

 

...para que venham a tornar-se puros e irrepreensíveis (Fp 2.15a)

"Vida irrepreensível" significa viver de modo a não dar motivo de repreensão, ou seja: uma vida totalmente isenta de culpa.

É possível alguém viver assim? A Bíblia diz acerca de Daniel na corte da Babilônia: "Não puderam achar nele falta alguma, pois ele era fiel; não era desonesto nem negligente". Finalmente...disseram: 'Jamais encontraremos algum motivo para acusar esse Daniel, a menos que seja algo relacionado com a lei do Deus dele' (Dn 6.4b-5). Daniel era um dos ministros do rei Dario e conseguiu viver uma vida irrepreensível no meio de pessoas corruptas e perversas. O apóstolo Paulo, escrevendo ao seu cooperador Tito, disse: "Em tudo seja você mesmo um exemplo para eles, fazendo boas obras. Em seu ensino, mostre integridade e seriedade; use linguagem sadia, contra a qual nada se possa dizer, para que aqueles que se opõem a você fiquem envergonhados por não poderem falar mal de nós" (Tt 2.7,8). No entanto, mesmo quando se consegue ser irrepreensível diante dos homens, a Bíblia vai mais além: "Deus nos escolheu...para sermos santos e irrepreensíveis em sua presença" (Ef 1.4).

Percebeu bem? Trata-se de sermos santos e irrepreensíveis em sua presença (de Deus). Diante disso, como viver uma vida pura e irrepreensível? O texto básico da nossa meditação requer para isso abrir mão de queixas e discussões, como filhos de Deus puros em meio à depravação que nos cercaqa, para assim brilhar como estrelas no universo. Filhos de Deus nos tornamos quando reconhecemos o sacrifício de Jesus em nosso favor e lhe entragamos nossa vida (confira em João 1.12).

E então? Será que temos procurado viver uma vida pura e irrepreensível diante das pessoas e também diante de Deus? Se temos falhado, o caminho é o arrependimento de todas as nossas falhas, sua confissão a Deus e um recomeço irrepreensível graças ao seu perdão.

 

A vida irrepreensível só é possível pela graça de Deus e a submissão a ele.

 

Texto extraído do livro Pão Diário nº 14

(29/09/2012)